quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Ultimo amante

Olhar-te me és cortejo
Enamoro-te em desejos
Sórdidos em atropelos
Em meus anseios
Sou teu ultimo amante
Sobrevivente de mares
Roubar-te-ei entre segredos
Amar-te-ei com grande apelo
Pela janela salvar-te-ei meu amor
Nos dirão de perdição
Eis que nela me encontraste perdido
A procura de encontrar-lhe
Sei em teus suspiros
Meu nome voa alto
Invejar-me-iam pássaros
Te canto, me encantas
Eis meu recanto
Esconderijo do nosso amor
Ninho de louvor
Amo-te de graça, de pé e de joelhos
Amo-te até s cotovelos
Nuca, dedos
Em teus seios
Me durmo e me anoiteço
Com deleito
Amo-te inconcebivelmente
Por entre olhares
Meus, seus
Tão nossos
Nosso amor incorrigível és delito
Contra a carne, alma e vestido
Deus que me perdoe sem suplícios
O que é amor não adultera
Amo-te com honradez
Zelo e pitadas de caprichos
Sou o ultimo dos últimos
Amo-te me absurdos
Delírios absolutos
Não me absouto
Absorvo-te
Minha ultima amada.


Nenhum comentário: