sexta-feira, 20 de janeiro de 2012


Sou um empinador de pipas
Sou menino de pés descalços
Não tenho cadarços
Embarco em vôos livres
Em corpos desamarrados
Respiro o vento e ele me entende
Somos par, na profundeza desse céu
Não tenho horas nem jóias
De nuvens foi feito meus caminhos
Sou menino na rua que se deslumbra
Aquele que me tens em vislumbrador
Vou soltando minhas pipas
Vou pairando no ar
Esse mar de cabeça para baixo
Me inverto e me invertes
E continuo sobrevoando
Fora de mim, dentro de minha alma
Minhas pipas e minhas asas
Voaremos pelo futuro
Sem pouso no mundo