quinta-feira, 26 de abril de 2012

Pátria amada

Minha Pátria amada
De um povo heróico e quais não vivem à margens plácidas
Sobreviventes ao sol de uma liberdade assassina que paira em nosso céu, a todo instante

Cheios de penhor
Queremos igualdade,
Eis que no anseio por uma vida digna, há quem desafia a própria morte

Ó Pátria desolada e pisoteada!
Salvem-na!

Brasil, de um sonho intenso quase impossível
Sem amor e sem esperança,
Á terra nossos governantes fazem descer

Somente por teu céu
Ainda sim somos risonhos
Sob a imagem do cruzeiro muitos filhos adormecem

Gigante pela própria natureza, que muitos almejam destruir
Eis o que era belo, eis o que era forte, impávido colosso
Que o futuro de suas crianças recupere essa grandeza

Terra saqueada!
Entre outras mil, és tu meu Brasil! Minha Pátria amada!
Dos filhos deste solo não há como ser mãe mais gentil

Não sejais ingratos com sua mãe formosa, ó filhos
Não rejeitais, quem te pariu em berço esplendido
Ao som do mar e à luz de um céu profundo em amor

Não magoeis o coração da América
Sejais garridos
Amem seus bosques, deem flores

Alimentais suas vidas com mais amores
O lábaro continua estrelado
Sejais Verde-louro em vossas almas

Sejais justos, filhos
Não fujam da luta
Adorem-na até a morte

Seus filhos não tem nome
Mas por verdes e límpidos campos
Sereis alegres e beberão da água da vida.